CRAIL MIXTAPE #02 - LIBERDADE, CONSCIÊNCIA E UNIÃO

13/09/21

Crail Mixtapes #03 - Flanantes

Vídeo Born Free com Moritz Rech
Música, skateboard & êxtase 1
.
O coletivo Flanantes tem a prática de escolher para trilhas para seus filmes através de artistas independentes que se identificam com a cultura do skateboard. O coletivo cedeu para a Crail, músicas utilizadas nos vídeos para que fizéssemos uma Mixtape. Uma track list contemporânea brasileira. Para citar a imagem utilizada pelo Arroiz: “A música de uma festa que ainda não existiu!”.

Pensei:

Uma festa do futuro no tempo presente!

Estão presentes nesta mixtape:
@klausbohms, @valerio_mnth, @tiagofrugoli, @efeitohorizonte, @mestrexim, @victor_assis_brasil, @_thiago_takeshi_, @originaljanvi, aztrak, @mtakara, @marconalesso_, @average_lukas.

A intenção é promover uma reflexão sobre os temas da música & vídeos de skateboard, música & vídeo_parts, músicas independentes nacionais &, articuladas às estas duas dimensões. Minha amiga, a pianista, Viviane Pinheiro Roque que, andou de skateboard em Tatuí, a cidade ternura &, que, abriga o Conservatório de Música da cidade, socializou comigo, aspectos que ela considera pertinente, quando abordamos trilhas sonoras para cinema

Temos climas, ambientes sonoros, atmosferas, o que skatistas esperam do som que buscam, expectativas, a minutagem dos acontecimentos em relação às manobras & à paisagem, os ritmos, sincronias, condução da emoção &, a velocidade, dinâmicas,
intensidades &, andamentos.



Estamos trafegando nas passagens revoltosas, mas, por vezes, mansas, das cartografias dos desejos. Delirantes¿ Tive uma aproximação difícil de Guy Debord & o seu, Sociedade do
Espetáculo, tive menos dificuldades com seus filmes contra o cinema, joias. Desenvolvi a simpatia, mais prosaico_poética pelo livro de Raoul Vaneigen, A arte de viver para as novas gerações.

Fazia parte das metodologias dos Situacionistas, converter as experiências de deriva em obras de arte, mapas psico_geográficos, da cidade & de movimentações, táticas,
estratégias, estágios de consciência, paraísos artificiais, por vezes ébrias ou com estados alterados de consciência. Nada de novo no front! Reivindicando, quando necessário, Memoriais da cultura &, dialeticamente, de barbárie, gentrificadora, como no caso do Vale do Anhangabaú.

Marcelo Formiga gritou por: pedra sobre pedra! & há uma frase atribuída à Wally Salomão que diz:

A memória, é uma ilha de edição!

As batalhas da sobrevivência material & as sonoridades que escolhemos para compô_las. Foi uma vitória molecular, o caso do Vale, um passo nas nossas demarcações de posições na cidade, “preservamos” um certo número delas, houve uma reconfiguração. & sabemos que o grosso está num canto da cidade. Mapeamos! As trincheiras de Palmares se espalharão pela cidade de São Paulo se usarmos a força de vontade coletiva &, a criatividade na construção de mutirões populares em cenas locais ou regionais. Ressignificações.

Um livro que marcou minha vida foi, Música, cérebro & êxtase, de Robert Jourdain. Um dos argumentos que este autor me ensinou foi que nós costumamos atribuir a audição ao
ouvido. Ele desenvolve a noção de que, as ondas sonoras são canalizadas pelo ouvido, & quando estas encontram o aparelho “martelo”, elas conectam estas ondas aos nossos
neurônios & daí pra frente, tudo é devaneio!

Essa espécie de board_riders, é altamente preocupada com questões territoriais & cada matilha, ou lobx solitárix, busca se posicionar na caverna. Cantos sujos. Entradas & saídas. Ninhos, nas trilhas sonoras de filmes de skateboard são mobilizadas as profundezas do cérebro, estruturas antigas como brontossauros:

“É seguro aqui!”. Ao menos, provisoriamente.

Vamos andar! Relaxemos, mas não podemos dormir, porque algo pode estar prestes a acontecer. Os visitantes da caverna são uma espécie de usuários de módulos, obstáculos, objetos cênicos, imagens em P&B, pedaços de madeira, formas estranhas, tubos de metal.

É raro o silêncio na cidade!

Dois mil cérebros. As ruas têm Alma!

O tema das trilhas sonoras para o skateboard está tratado no posdcast: As skateparks e a formação musical: a trilha sonora em primeiro plano. E uma das chaves de compreensão
significa saber que se trata de uma movimentação, de um deslocamento dos sentidos. Vocalização & expectativas, desenhos grandiosos, uma muralha de uma centena de sons se
lança em direção a ouvidos ansiosos, ricocheteando através da cobertura da caverna, mas abafada. Podemos destampá-la!

Minha cartografia do desejo passa por compilações como a 411 Vídeo Magazine (EUA). Nosso método era óbvio. Mapeávamos as bandas de que gostávamos & íamos de ônibus de Santo Amaro (ZS) até a Galeria do Rock, & era preciso, sempre achávamos o que
queríamos & assim, seguíamos essa espécie de pesquisa intuitiva em busca de nos inspirarmos nas nossas sessões santamarenses.

Minha família não tinha DVD. Eu acessava os filmes através dos amigos que tinham em suas casas. As relações de fraternidade da cultura do skateboard, no qual eu fui criado, tinha muita intimidade. Ainda que andássemos à contragosto de nossos pais & mães. O filme que me marcou, como o raio da capa do disco clássico dos Bad Brains, foi, Stereo: a visual sound. O jazz na composição das imagens, muitas em P&B. Mas, a passagem mais marcante, é de Matt Rodriguez, a música instrumental que compõe a sua intervenção se faz presente na minha memória até hoje. Impressionante! “Êêê... ÁÁÁêêê...”. Minha simpatia pelo que viria a
ser chamada de Resistência Rasta, remonta à 1994.

São raízes imaginárias, rizomáticas. Gosto de pensar na noção de afinidades eletivas, que tem suas origens na química, mas que atravessou a literatura. E dentre estas afinidades estão figuras como Matt Hansley, que toca uma espécie de acordeom, os guitarristas, Tommy Guerrero & Ray Barbie, & um sem número de skatistas que são ligados à musica, Jason Lee & Spike Jonze, como exemplos da fronteira com o cinema, &, às mais diversas formas de expressão artística.

Por isso, gostaria de destacar dois filmes que, no meu olhar, estão antenados numa proposta da @agacêskateboards que consiste na promoção de um verdadeiro, skateboard mais brasileiro. Estamos defendendo uma maneira anticolonialista de andar &, também, de selecionarmos as trilhas que compõem, verdadeiras, obras de arte, como o filme, Uni. Versus, ou o Velô 4.7. Há neles um privilégio na escolha de um repertório que trata da vasta & rica expressão da música popular brasileira. Como esquecer, na Premier do Uni. Versus, quando ouvi o naipe de metais da música de, Coisas, n. 5, na introdução da parte do Akira Shiroma.

Isso me remete à intervenção Dornelândia, conduzida por Renato Costa Custódio, Alexandre Cotinz &, Murilo Romão que, contou, numa de suas apresentações, com a participação de EDGAR. Um verdadeiro campo minado, onde, as sonoridades de nossas interações com os obstáculos, são captados, por cabos & conectores, canalizando o fluxo energético para uma mesa de som, onde DJs fazem a Festa, de suas mentes, de skatistas &, transeuntes.

Trilhas sonoras de filmes de skateabord são táticas:

Linhas finas de fugas!

Música, Skateboard & êxtase.

*Disponível para Download

1.Fábio Luiz Pimentel subiu num skateboard em 1987. É licenciado em História, pela Universidade Federal da
Paraíba (UFPB). Mestre em Antropologia Social, na linha de Pesquisas em etnologia indígena, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Trabalha como educador popular no Setor de Educação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, do estado de Minas Gerais.


Track ID


1 prumumu - klaus @klausbohms
2 habitantes - mnth @valerio_mnth
3 trapaceiro - mnth @valerio_mnth
4 zonzo - klaus @klausbohms
5 precisamos de um espelho - klaus @klausbohms
6 a felicidade - frugoli @tiagofrugoli
7 rizomas - efeito horizonte @efeitohorizonte
8 under roots - mestre xim @mestrexim
9 jodo - frugoli @tiagofrugoli
10 ao amigo quartin - victor assis brasil @victor_assis_brasil
11 cimento organico ferro integral - efeito horizonte @efeitohorizonte
12 electric - soul one @_thiago_takeshi_
13 beat edgar quartin - efeito horizonte @efeitohorizonte
14 sonic humano - janvi @originaljanvi
15 aztrak - aztrak
16 eu não - m.takara @mtakara
17 pijão - mnth @valerio_mnth
18 espelho - m.Takara @mtakara
19 vale da lua - nalesca na mantega @marconalesso_
20 cidade - average lukas @average_lukas


Crail Mixtapes · Crail Mixtapes #03 - Flanantes

TEXTOS POR Fabio Luiz Pimentel

EM crailers

COMPARTILHE ESTE POST

VOLTAR

FACEBOOK
TWITTER
GOOGLE+
PINTEREST
E-MAIL